Atendimento telefônico: 48. 3234-7247 ou 48. 3364-7247
Somos feitos de ideias. Cresça conosco.

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (Obrigatório)

Seu telefone (com DDD) (Obrigatório)

Assunto

Mensagem

[recaptcha]

Reconhecimento

Desde 2007 entregando o melhor conteúdo para o crescimento das farmácias e farmacêuticos magistrais.

Siga-nos

Nosso Endereço

Rua Santa Luzia 100
The Place Office Sala 206
Florianópolis, Ilha da Magia SC
Brasil

Telefones: 48. 3234-7247  | 3364-7247
Email: pharmaceutical@pharmaceutical.com.br

Gengibre e Alcachofra no bem estar intestinal

Gengibre e Alcachofra no bem estar intestinal
21 de fevereiro de 2017 Marlon Barg

O intestino é constituído por duas partes:

  1. Intestino delgado
  2. Intestino grosso.

O delgado (formado pelo duodeno, jejuno e íleo) estende-se do piloro – válvula que separa o estômago do duodeno – até a junção ileocecal, onde começa o intestino grosso, que vai desembocar no reto.

 

Muita gente se queixa de problemas intestinais.

São cólicas intermitentes, gases que provocam distensão do abdômen, crises alternadas de prisão de ventre e diarreia, sensação de que o intestino não foi esvaziado completamente com a evacuação. Esses sintomas são comuns a muitas doenças intestinais. Uma delas é a síndrome do intestino irritável (SII), um distúrbio funcional, sem causa anatômica nem lesões que o justifiquem. Por isso, seu diagnóstico é de fundamental importância para excluir a possibilidade de moléstias graves. Confira neste link as dicas e informações que a Sociedade Brasileira de Gastroenterologia apresenta sobre a SII.

 

 Motilidade colônica

O cólon humano exibe padrões motores que incluem contrações de curta e longa duração, contrações tônicas e contrações migratórias com variações de frequência e amplitude.

O trânsito colônico normal dura 24 a 48 horas. No cólon, o trânsito através do ascendente, transverso, descendente, sigmoide e reto tem duração variável e depende basicamente da ocorrência de contrações propulsivas de ampla amplitude da distância da propagação.

 

Motilidade colônica na constipação

Os pacientes com constipação podem ser divididos em dois grupos em relação ao trânsito colônico: aqueles com trânsito normal e os com trânsito prolongado.

A constipação com trânsito normal parece ser secundária a um defeito no mecanismo da evacuação que envolve a musculatura pélvica e o esfíncter anal.

O reflexo gastrocólico também está diminuído em pacientes com constipação severa.

Além das alterações motoras, pacientes com constipação severa apresentam outras desordens funcionais como a redução do relaxamento do esfíncter anal interno, aumento do limiar na sensibilidade evacuatória e maior tolerabilidade retal a volumes máximos.

 

Uso de fitoterápicos para problemas digestivos

O emprego de produtos naturais como formas de terapia é tão antiga quanto à civilização humana, e por um longo período, constituíram o arsenal terapêutico. A fitoterapia é tida como um método de tratamento que possibilita ao homem uma conexão direta com o ambiente, acessando o poder da natureza, para ajudar o organismo a normalizar funções fisiológicas que sofreram algum tipo de estresse e acabaram prejudicadas, restaurar a imunidade enfraquecida, promover a desintoxicação e o rejuvenescimento do corpo.

Nos últimos anos, notou-se uma crescente atenção dirigida pelas autoridades e administrações de saúde para o uso de plantas medicinais e no Brasil. Através da  Portaria nº22/1967 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a Resolução-RDC nº17/2000 que classifica os fitoterápicos como medicamentos mais relevância e respeito foi conferida a estes agentes.

O uso de plantas com fins medicinais, seja para tratamento, cura e/ou prevenção de doenças, é particularmente empregada com diversos objetivos em tratar os mais variados distúrbios digestivos, sendo empregado em casos de:

  • Gastrite;
  • Dispepsia;
  • Azia;
  • Mal-estar gástrico;
  • Úlcera;
  • Diarreia;
  • Constipação;
  • Cólicas intestinais;
  • Patologias hepáticas e biliares,
  • Dentre outras.

 

Destaques: Alcachofra e Gengibre

 

 

Alcachofra: aconselhada pela ANVISA para o tratamento de distúrbios digestivos.

A alcachofra é uma planta herbácea, nativa da região mediterrânea, que compreende o sul da Europa e o norte da África. Desde os tempos da história antiga, as folhas de alcachofra são utilizadas terapeuticamente devido a sua propriedade diurética e colerética.

De acordo com nutricionistas, a alcachofra ainda ajuda na melhora da constipação. Isso porque ela contém oligossacarídeos, carboidratos solúveis considerados como fibras dietéticas com um teor de calorias baixo.

 

Extrato de Alcachofra:

  • A alcachofra (Cynara scolymus) é utilizada desde os tempos Romanos como alimento e fitoterápico;
  • A parte utilizada hoje em dia para produzir o extrato de alcachofra são as folhas;
  • A propriedade terapêutica do extrato de alcachofra é reflexo de sua composição: é rico em flavonoides e ácido hidroxicinâmicos;
  • Por seu efeito antioxidante, ainda reduz a oxidação do colesterol LDL, controlando um fator importante para doenças ateroscleróticas;
  • Acredita-se que o provável mecanismo de ação pelo qual o extrato de alcachofra atua seja amenizar os sintomas de pacientes dispépticos através do agonismo de receptores serotonérgicos e colinérgicos no intestino.

 

Gengibre

Vegetal nativo da Ásia, o gengibre é uma raiz tuberosa usada tanto na culinária quanto na medicina. A planta assume múltiplos benefícios terapêuticos: tem ação bactericida, é desintoxicante e ainda melhora o desempenho do sistema digestivo, respiratório e circulatório. O gengibre pode ainda proteger contra o câncer no intestino, segundo estudo do Instituto Hormel da Universidade de Minnesota, em Austin, nos Estados Unidos. Testes comprovaram que o gingerol, que dá ao gengibre seu sabor característico, pode retardar o crescimento de tumores humanos em ratos de laboratório. Este fitoterápico também faz parte do Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira.

Caracterizado na medicina tradicional Chinesa como um tempero, o gengibre é utilizado para aquecer o corpo em casos de frio nas extremidades, melhorando a fraqueza e palidez. Além disto, o gengibre possui ação estimulante da secreção de bílis e ação protetora da mucosa gástrica favorecendo a digestão. O gengibre estimula a circulação e melhora o fluxo sanguíneo, reduz a pressão sanguínea.

Por conter canfeno, felandreno, zingibereno e zingerona, o gengibre tem sido utilizado pela medicina popular para o tratamento da inflamação, para o alívio da dor, e também das náuseas e vômitos, principalmente entre gestantes. Os sintomas podem ser simples náuseas, como também podem provocar sérios problemas às mulheres, afetando-as tanto pessoalmente quanto profissionalmente. Das gestantes que sofrem de náuseas e vômitos 50% acreditam que este quadro afeta negativamente sua relação com o marido e 55% sentem-se deprimidas.

Independentemente do posicionamento a favor ou contra as receitas da vovó, em um ponto médicos, farmacêuticos e demais especialistas são unânimes: a orientação de um profissional da saúde capacitado é fundamental. A combinação entre sabedoria milenar, avanços científicos e recomendação médica ainda pode ser o melhor remédio.

 


Dica gostosa: Receita do Chá de Alcachofra e Gengibre

Ingredientes

  1. Um pedaço pequeno de gengibre
  2. 600ml de água
  3. Duas colheres de alcachofra seca

Como fazer: Coloque na chaleira a água e leve ao fogo até que esteja fervendo e então desligue. Acrescente o gengibre e a erva, deixe em infusão por cerca de 15 minutos. Não é preciso coar e nem adicionar açúcar para não torná-lo calórico. Caso preferir, também pode tomar gelado.

 


Eu sempre adorei a utilização dos chás (e uso muito mesmo). E não sei se pelo fato de ser farmacêutico, ou metido mesmo, eu adoro misturar algumas ervas e especiarias. Neste caso, eu recomendaria adicionar pelo menos uma colher de flores de hibisco e um pedaço de pau de canela(aquela mesmo que você usa para cozinhar). E deixa sob infusão junto com a alcachofra e com o gengibre. Eu finalizo com rodelas de limão siciliano e umas gotinhas de adoçante. Depois eu adiciono água gelada e vou bebendo ao longo do dia, mantendo o restante na geladeira.

O assunto é sério agora (antes também era, ok?!)

Não reaproveite o chá de um dia para o outro.

E, mais: se você não suporta mais o gosto nem do gengibre e muito menos não se vê tomando chás, procure seu nutricionista, médico ou farmacêutico que eles explicarão para você como é possível obter esta combinação para consumir através de cápsulas manipuladas.

Eu iria comentar ainda dos efeitos desta combinação no emagrecimento, mas vou deixar para outro post. Espero que você tenha gostado. 😀

 

Recentemente nossa equipe de pesquisadores reuniu informações científicas a respeito desta combinação e disponibilizou às farmácias de manipulação um paper para divulgar com os prescritores, assim é possível obter ainda mais benefícios através da utilização destes dois agentes fitoterápicos. Quer dar uma conferida nos destaques deste paper? Acesse esse link.